Notícias

Home
histórico

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

EVENTO DA LIGA

XXII Semana Desportiva 

Entre os dias 16 e 20 do mês de Agosto, a Liga de Melhoramentos promoveu mais uma edição da já tradicional Semana Desportiva. O objectivo principal deste evento foi proporcionar, de forma descontraída, a prática de actividades desportivas e de lazer a toda a população.

Organizaram-se diversas modalidades como sejam: Futsal, Ténis, Atletismo, Ténis de mesa, Sueca, dominó, Damas, Passeio Pedestre e ainda uma Maratona de Aldeia destinada à participação conjunta de atletas dos 5 aos 105 anos de idade.

Para encerramento da Semana Desportiva foi feito um jantar convívio, aberto a toda a população, no dia 20 de Agosto, a partir da 18 horas e 30 minutos.

Tudo decorreu com normalidade. Se houver fotos do jantar convívio agradecemos aos associados que o façam chegar via email, de modo a serm divulgadas.

 

Iluminação nocturna da torre velha

 

.

A torre sineira da antiga Igreja Paroquial da freguesia de Cabril  que, actualmente, está integrada no centro social da Liga de Melhoramentos, foi, durante o ano de 2010, objecto de importantes trabalhos de consolidação e restauro que lhe devolveram, não só a solidez suficiente para continuar a desafiar o decurso do tempo como, também, a beleza da sua traça original. Esta construção, que já deve ter mais de três séculos, é considerada pelos Cabrilenses como um verdadeiro "monumento" e, por isso, uma vez concluídos os trabalhos de restauro, foi notória a necessidade de lhe ser associado um sistema de iluminação que, na escuridão da noite, permitisse realçar a sua beleza.
 Mais uma vez a Liga de Melhoramentos, respondendo aos anseios da população, desenvolveu as acções necessárias para que, a velha torre, pudesse ser beneficiada com um sistema de iluminação e, assim, na recente Páscoa os Cabrilenses, residentes e as mais de duas centenas da diáspora que aqui vieram nesta quadra, puderam já apreciar a velha torre iluminada.
 A torre localizada a meio da encosta da serra de S. Domingos, a cerca de 660 metros de altitude, é agora bem visível, nas noites escuras, numa vasta área que vai até à margem esquerda do Zêzere e à serra do cavalo.
 A aquisição e instalação do sistema de iluminação representou, para a Liga, um encargo financeiro  significativo que só foi possível concretizar com a preciosa ajuda do nosso grande benemérito  e associado Sr. José Teodoro Martins, do Sr. Vitor Alves Luís e da firma STAGECOM  e ainda algum apoio material da Câmara Municipal a quem aproveitamos a oportunidade para expressar os nossos sinceros agradecimentos


Vitor Domingues

Actividades da Liga de Melhoramentos

Ano 2010

Actividades da Liga de Melhoramentos

A Liga de Melhoramentos da Freguesia de Cabril promoveu, na segunda semana de Agosto, a XX ª edição da Semana Desportiva, evento que tem como principal objectivo proporcionar a toda a população, em ambiente descontraído, a prática de actividades desportivas e de lazer. (Conheça muito mais)

Entre as várias modalidades propostas salientaram-se, pelo numero de participantes, as seguintes: Sueca (10 equipas); Damas (12 ) ; Dominó (10); Ténis de Mesa (18);   Futsal ( 4 equipas masculinas e duas femininas, 36 participantes);  Passeio Pedestre (25) e Atletismo (56).
No torneio de Futsal conseguiu-se um bom nível competitivo tendo vencido, na vertente masculina, a Equipa CABRIL-A. A final da competição feminina foi presenciada por uma assistência de mais de 200 pessoas que vibraram com o desempenho das atletas tendo saído vencedora a equipa   “AS RIBEIRENSES”.
Os 25 participante no Passeio Pedestre efectuaram um percurso muito pitoresco que, do Cabril os levou pelos Lameiros- Serra de S.Domigos- Portelinho- Cruzamento do Vidual- Vidual de Baixo- Santa Luzia- Vale Grande- Poio- Conhada e novamente Cabril.
No conjunto de todos os escalões das provas de Atletismo, desde os infantis aos veteranos, participaram 56 atletas. Na prova aberta, na distância de 7000 metros, participaram 26 atletas sendo que, os atletas representantes da Fornea, Relvas e Amoreira, pelo seu bom desempenho desportivo, contribuíram para que se tivesse atingido um elevado nível competitivo.


Jantar convívio


Para encerramento da XXª semana desportiva foi organizado um jantar convívio, aberto a toda a população, no dia 16 de Agosto, pela 19 horas.  A ementa, constituída por arroz de feijão, primorosamente preparado pelo trio  Armindo Tavares – Carlos Nunes-Júlio Teodoro  e, porco assado no espeto, este da responsabilidade do Paulo do Talho, agradou  aos mais de 250 participantes  que não se cansaram de manifestar a sua satisfação pela alta qualidade do repasto que lhes foi servido.
Durante o jantar foram entregues lembranças aos 170 participantes nas actividades da Semana Desportiva, e foram entregues troféus a cada um dos vencedores das diversas modalidades. 
     
Agradecimentos

A organização dum evento desta natureza e com a dimensão que atinge exige a mobilização de recurso que não estão ao alcance da Liga. Assim e, porque a organização desta Semana Desportiva, nos moldes em que ocorreu, só foi possível graças aos apoios recebidos, queremos aqui manifestar os nossos agradecimentos à Câmara Municipal da Pampilhosa, à Junta de Freguesia de Cabril, à Caixa Geral de Depósitos, aos associados e amigos Maria Adelaide, Vítor Custódio  e Luís Gonçalves ao restaurante “O Petisco de Alvalade” e ainda a todos os Cabrilenses que anonimamente e desinteressadamente colaboraram na organização das actividades.


Área envolvente do Centro Social

Na área envolvente ao Centro Social  a Liga promoveu, em Julho, a construção de dois pequenos monumentos destinados a preservar a memória histórica e cultural da freguesia.
Foi construído um pequeno monumento, alusivo à produção de azeite, utilizando algumas das pedras centenárias do velho lagar do Vale Pereiro, demolido na década de 60 do século passado, aquando da construção do novo lagar aos Alqueves. A  produção de azeite foi sempre uma actividade económica importante da freguesia de Cabril e na qual tinha vantagens comparativas relativas às freguesias vizinhas.
Porque o Centro Social está construído no local onde, no século XVII, foi construída a primitiva Igreja Paroquial, da qual actualmente resta apenas a torre sineira, foi ali construído agora um painel de azulejos reproduzindo a antiga igreja de modo a preservar a memória daquele templo.
O painel de azulejos foi desenhado pelo artista, de raízes Cabrilenses, Paulo Nogueira, que desde há vários anos tem vindo a realizar trabalhos neste domínio, com particular destaque nos vitrais.
A realização destas obras só foi possível porque o nosso associado, benemérito e amigo, José Teodoro Martins, generosamente suportou os encargos financeiros delas resultantes sendo, por isso, credor dos nossos reconhecidos agradecimentos.

Fique a par das novidades da aldeia de Cabril. O restauro da torre sineira da antiga igreja paroquial, a semana desportiva, novidades do parque desportivo, entre outras notícias.

 

Outras actividades

Restauro da torre sineira da antiga igreja paroquial

Nos anos 50 do século passado a Igreja paroquial de Cabril ruiu tendo apenas ficado intacta a torre sineira. Nos anos 70 a Liga de Melhoramentos da Freguesia de Cabril adquiriu o terreno da antiga igreja e nele construiu o centro social onde funciona a sua sede e é hoje o verdadeiro “fórum da freguesia”. A torre sineira foi integrada no centro social mas como a sua construção se perde na memória do tempo necessitava de ser restaurada para poder continuar a ser um símbolo da freguesia e paróquia. Assim a Liga de Melhoramentos assumindo as suas responsabilidades de guardiã daquele “monumento” dos Cabrilenses promoveu a restauro da torre sineira. Os trabalhos ficaram concluídos no início do mês de Agosto e a torre, mantendo todas as suas  antigas características, apresenta-se agora em condições de solidez que lhe permitem desafiar o curso do tempo.
Para levar a cabo o restauro da torre, a Liga contou com os apoios da Fundação Axa - Corações em Movimento, da Câmara Municipal da Pampilhosa da Serra e do grande benemérito, José Teodoro Martins, aos quais aproveitamos a oportunidade para  expressar os nossos sinceros agradecimentos.


SEMANA DESPORTIVA

Como já vem sendo tradicional a Liga promoveu mais uma edição da Semana Desportiva, evento que se destina a incentivar a prática de actividades desportivas e de lazer em ar livre junto da população. Este ano a participação foi mais reduzida que em anos anteriores mas, mesmo assim, conseguiu-se um bom nível de adesão e de satisfação dos participantes.
Aos vencedores das diversas modalidades foram entregues troféus pelo Presidente da Direcção da Liga e foram entregues lembranças a todos os participantes.
A semana desportiva encerrou-se com o jantar convívio no dia 14 de Agosto no qual participaram mais de duas centenas de Cabrilenses.
Para a organização da Semana Desportiva, a Liga contou com o apoio da Câmara Municipal da Pampilhosa e da “REN - Redes Eléctricas Nacionais”.


PARQUE DESPORTIVO
   

Em Assembleia Geral da Liga foi decidido, há já algum tempo, que o Parque desportivo  teria o nome de “Parque Desportivo José Gonçalves do Espírito Santo” como forma de reconhecimento da acção deste Cabrilense, quer enquanto presidente da Junta de Freguesia, quer enquanto dirigente da Liga, na construção do parque desportivo e, ainda, em muitas outras iniciativas em prol do progresso do Cabril em que teve um papel de relevo.
No dia 14 de Agosto, momentos antes de se iniciar o jantar convívio, em cerimónia que contou com a presença do homenageado, José Gonçalves do Espírito Santo, e de muitos Cabrilenses e amigos,  foi descerrada, no parque desportivo, uma placa de xisto com a inscrição “Parque Desportivo José Gonçalves do Espírito Santo”.
O elogio do grande Cabrilense esteve a cargo do Sr. José Teodoro Martins que salientou o seu percurso, desde que pela primeira vez saiu do Cabril, como jovem soldado, até a actualidade, sem esquecer a sua forte personalidade e capacidade realizadora.
A placa de xisto foi gentilmente executada  pelo Sr. Armindo Tavares que, por isso, é credor dos nossos agradecimentos.


Vitor Domingues

Cabril - 50 anos da Nova Igreja Paroquial

  "...estou certo de que esta obra noutros meios que não este não teria sido possível…..esta gente boa e amiga ainda não se cansou de dar para a sua igreja! Não é pois difícil, com gente desta levá-la a termo ”.  

CABRIL - 50 ANOS DA NOVA IGREJA PAROQUIAL 

No dia 6 de Setembro de 1959 foi inaugurada a nova igreja paroquial de Cabril. Ao completarem-se 50 sobre aquele acontecimento e, em homenagem aos homens e mulheres que, na década de 50 do século passado, com o seu esforço e dedicação conseguiram realizar aquela obra, evocam-se alguns dos factos mais marcantes daquele evento.
  Sobre este tema está aberta uma exposição documental, na sede da Liga de Melhoramentos em Cabril, que pode ser visitada todos os dias.
 
A derrocada da antiga Igreja

Em finais dos anos quarenta do século passado a freguesia de Cabril, embora se começassem a sentir já os efeitos do fenómeno “urbanização”, era ainda um território com uma grande vitalidade económica. Para além da actividade agrícola tradicional, os efeitos da construção da barragem ainda se faziam sentir, a exploração da resina começava a criar empregos e riqueza e as Minas da Panasqueira eram também uma alternativa de emprego. Esta conjuntura possibilitou que, naquela altura, a população da freguesia tenha ultrapassado os 1200 habitantes dos quais, as crianças e jovens representavam mais de 30%.
Na vida dos Cabrilenses a religião foi sempre um elemento importante, sobretudo depois da criação da Paróquia no início do Sec. XVII. Esta realidade era bem notória na frequência da igreja. Em 1950 a assistência à missa dominical na igreja paroquial atingia, em regra, cerca de 700 fieis.
A igreja que já era antiga, necessitava de obras de reparação e manutenção e, era naturalmente exígua para comportar um tão grande número de almas.

No Outono de 1950 iniciaram-se os trabalhos de reparação do telhado e da fachada principal. Este Outono e o Inverno que se lhe seguiu foram extremamente chuvosos e, por isso, as obras prolongaram-se por bastante tempo.
Em Fevereiro de 1951 estava já concluída a reparação do telhado e montados os andaimes para se proceder à reparação da fachada quando o “tempo o permitisse”. No dia 21 daquele mês, pelas 18 horas, possivelmente em consequência da grande pluviosidade, desmoronou-se parte da fachada principal e uma parede lateral.
Nas palavras do Pe Luciano Pereira de Carvalho, Pároco na altura, “foi providencial estar a chover torrencialmente pois que, como era a hora de o povo acorrer à “oração” da Quaresma teríamos desastres pessoais a lamentar”.

No dia seguinte à derrocada o povo, apesar de em parte responsabilizar o Pároco e o responsável das obras pelo desastre, por ter sido retirada a cal das paredes, compareceu em massa para desobstruir o adro e a estrada, escorar o telhado e, deste modo, manter nas condições possíveis a sua igreja funcional. Conforme o Padre Luciano refere “ninguém quis paga embora o trabalho feito se não pagasse com 600 escudos (verba equivalente a 70 dias de trabalho) ”.

Em face da situação de ruína da igreja imediatamente o Pároco diligencia, no sentido de ser encontrada uma solução adequada, junto do Bispo da Diocese. Depois de se estudarem as soluções possíveis, por conselho técnico dos serviços do Ministério das Obras Públicas, decidiu-se que se deveria construir, de raiz, uma nova igreja, em vez de restaurar a antiga.
Perante esta solução tornava-se necessário elaborar o respectivo projecto, encontrar o local para a implantação da nova igreja e reunir os meios económicos e financeiros que permitissem concretizar este sonho.


O Projecto da nova igreja

O projecto inicial da nova igreja paroquial de Cabril foi elaborado pela Direcção de Serviços de Urbanização de Coimbra e previa a construção de um templo de dimensões suficientes para acolher varias centenas de fieis, enquadrado na paisagem local e com uma boa funcionalidade.
O projecto inicial acabou por ser ligeiramente alterado, porventura pelas dificuldades levantadas pelo declive do terreno. A alteração mais significativa foi a mudança da torre sineira e o enquadramento do salão paroquial. O corpo principal do templo manteve-se de acordo com o inicialmente projectado.
O custo estimado, pelos serviços do Ministério das Obras Publicas, para a construção da igreja foi de 540 contos, verba equivalente, a preços actuais, a mais de um milhão de euros ou a qualquer coisa como 25000 dias de trabalho/homem na altura.


O local da nova igreja


A decisão sobre o local onde seria implantada a nova igreja não foi fácil. Como relatou o Pe Artur Mendonça das Neves, que a 6 de Dezembro de 1953 assumiu as funções de Pároco da freguesia, “ o povo ao ter conhecimento da mudança da sua igreja para novo local opôs-se – era a força da tradição e do costume a imporem-se”.
Ao fim de algum tempo de discussão com toda a população, com muita paciência e habilidade, foi possível obter a concordância de todos sobre o local, tendo-se decidido que a nova igreja seria construída no Lombinho.


O reunir dos meios financeiros para a obra


A obra era grande por isso também eram grandes as necessidades de meios financeiros que, na altura, não eram fáceis de obter. A população da freguesia, conjuntamente com o seu Pároco, lançou diversas iniciativas para conseguir os recursos necessários.
A primeira grande tarefa foi conseguir uma comparticipação do Estado. Depois de varias diligências do Padre Artur junto do Sr. Ministro das Obras Publicas, Eng. José Ulrich, é recebida em Março de 1954 a noticia de que a igreja seria comparticipada, pelo Estado, com a importância de 222.800$00 (cerca de 40% do custo inicialmente previsto).
Era uma preciosa ajuda, por isso, nas palavras do Pe Artur “foi dia de festa para a freguesia que oficiou a sua Excelência o Sr. Ministro a agradecer o seu auxilio” mas, eram necessários muitos mais meios.
Organizaram-se peditórios, as pessoas contribuíam com dinheiro, dias de trabalho e outros valores. Todas as povoações organizaram as respectivas colectas de fundos. Periodicamente e em certos dias festivos como na festa de Nª Senhora de Lurdes, organizaram-se cortejos de oferendas. A freguesia foi de uma generosidade extrema, relatou o Padre Artur. 
Lançou-se a “campanha do ovo” que durou vários anos. Os ovos recolhidos eram vendidos semanalmente e o dinheiro assim obtido era entregue à igreja.


O realizar da obra


No dia 25 de Março de 1954, dia da festa da Anunciação de Nª Senhora, deu-se o início das obras, com a bênção e colocação da primeira pedra da nova igreja. Neste dia organizou-se um cortejo de oferendas para o obra que ia começar e realizou-se uma procissão até ao Lombinho, local onde a nova igreja ia ser construída.
Conforme relatou o Padre Artur “a primeira pedra foi colocada no seu lugar pelos Srs. António Antunes e Eduardo Pinto enquanto ao ar subiam inúmeros foguetes símbolo do contentamento de toda a freguesia que no local se encontrava em peso”.
A obra vai avançando, nos anos seguintes, impulsionada pelo Pároco e com a generosa e abnegada colaboração de toda a população. São elucidativas, a este respeito, as próprias palavras do Padre Artur   “de quanto se conseguiu, da generosidade destes povos, falam as contas e fala a Obra que se ergue já majestosa e bela  …. Esta gente tem tirado à sua boca aquilo que lhe faz falta para alegremente o darem à sua Igreja….estou certo de que esta obra noutros meios que não este não teria sido possível…..esta gente boa e amiga ainda não se cansou de dar para a sua igreja! Não é pois difícil, com gente desta levá-la a termo ”.   

Em 5 de Outubro de 1958, com algum descontentamento da população, o Pe Artur é substituído na Paróquia pelo Pe Manuel de Almeida Alves. As obras, que já se encontravam numa fase avançada, continuam a bom ritmo.
No dia 11 de Janeiro de 1959 é celebrada a primeira missa na igreja nova que, como referiu o Pe Manuel, “ estava ainda sem soalho e sem altares”.

No dia 6 de Setembro de 1959 a Igreja foi benzida e “inaugurada” pelo Sr. Bispo D. Manuel de Jesus Pereira e, nesse mesmo dia, como que para abençoar o novo templo da Paroquia, a população da freguesia teve o privilégio de receber a Veneranda Imagem de Nª Senhora da Fátima Peregrina.


A Obra continua

Em 1959 a igreja estava concluída mas faltavam ainda os arranjos do adro e melhorar os acessos.
Nos anos 80 foi possível concluir o adro e melhorar toda a área envolvente e, como uma obra nunca está concluída, têm vindo a ser concretizadas, pontualmente, algumas pequenas melhorias.
Recentemente procedeu-se ao restauro das imagens dos altares e, nos anos de 2005 e 2006, a igreja foi enriquecida artisticamente com a instalação de um conjunto de vitrais retratando cenas e figuras bíblicas.

Vítor Domingues


[Home] [histórico]

Textos: de José Teodoro Martins com a Edição da Liga de Melhoramentos da Freguesia de Cabril - 50.º Aniversário  e de Armando Reis com a obra Subsídios para a História do Regionalismo Serrano, Cabril (Pampilhosa da Serra) e a sua Liga de Melhoramentos - e ainda, comunicados, notícias e outros assuntos importantes para divulgar através deste sítio através da Liga de Melhoramentos da Freguesia de Cabril.
A manutenção desta página está a cargo de Carlos Alberto Teodoro da Purificação Cruz.
Última actualização: 15-Abr-2018