Como nasceu a Liga

Home
Up

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PORQUE NASCEU A LIGA DE MELHORAMENTOS

por armando reis

 

Desde tempos imemoriais que o concelho de Pampilhosa da Serra tem sido votada ao abandono. Conta-se até que antigamente os funcionários públicos ou professores primários, rebeldes ou inconformistas, eram ameaçados que seriam colocados no concelho pampilhosense, como este constituísse afinal de desterro ou exílio.

Aliás para dar mais uma ideia de penúria deste concelho, com uma área de 380 quilómetros quadrados, existe uma carta de D. João III, de 1569, que mandava descontar a quantia de 9.600 reais no pagamento das sisa do erário real, em virtude de a vila ser muito pobre e a população não poder satisfazer o montante de 69.672 reais.

Quanto ao esquecimento e não só, que o concelho tem merecido dos poderes públicos, onde é raríssimo vir alguém de fora inteirar-se das graves carências de que enferma, conta-se a história daquele ministro que há anos visitou a vila e que, ao chegar junto desta, dando conta que estrada estava alcatroada, teria afirmado à comitiva que o acompanhava; "Afinal isto não está tão atrasado como me haviam contado!".

No capítulo da educação, diremos apenas que, em 1930, numa população de 13.200 almas, 11.500 eram analfabetas!

Não admira, pois, que as gentes serranas, imbuídas de acentuado amor ao torrão-natal, vendo-se obrigadas a emigrar para longe dos seus, cedo se organizassem na mira de arranjar fundos que lhe permitissem acudir às necessidades mais prementes dos seus conterrâneos substituindo assim e tantas vezes o próprio Estado. É este movimento, que conta mais de cinquenta anos de actividade contínua, de raiz eminentemente popular, que constitui o Regionalismo Serrano. Basicamente podemos definir regionalismo, como  uma cooperação ou entreajuda que tem em vista desenvolver as condições socioeconómicas de uma dada região. Na prática tal regionalismo abarca tudo o que faz parte da vida do homem ou lhe é necessário: estradas, fontes, escolas, electrificação, telefone, cemitério, etc.

Mas o que distingue o regionalismo da Serra de outros regionalismos praticados no país, é que a quase totalidade dos seus militantes não vivem na própria região que lhes serviu de berço. Obrigados por razões imperiosas a emigrar, permanecem contudo agarrados às suas aldeias por estreitos laços, contribuindo para o seu progresso com dinheiros, bens e serviços, e de uma forma abnegada e desinteressada, pois quase sempre não são os beneficiários directos da sua própria actividade, mas sim, os vizinhos, conhecidos e familiares que labutam no torrão-natal sem tempos livres nem férias pagas e subsídios.

Visto por este prisma, o regionalismo serrano terá muito a ver com altruísmo e filantropia, que só interpretações malsãs poderão deturpar o significado.

Em quaisquer estatutos de qualquer colectividade regionalista pode ler que ... "esta agremiação tem por fim concorrer por todos os meios ao seu alcance para melhorar ou engrandecer as suas terras" ou ainda "contribuir tanto quanto possível para o aperfeiçoamento social dos seus associados".

É evidente que as gentes de Cabril labutando lá longe, na grande cidade ou no estrangeiro, não podiam ficar indiferentes a este movimento regionalista que engloba meia centena de colectividades só no concelho de Pampilhosa da Serra.

E foi assim que numa tarde de domingo, no longínquo ano de 1948, um grupo de cabrilenses, animosos e resolutos, fundaram, em Lisboa, a Liga de Melhoramentos da Freguesia de Cabril. Do que tem sido a sua obra, de acentuado cunho humano, nos iremos ocupar no próximo capítulo.

 

[Home] [Up]

Textos: de José Teodoro Martins com a Edição da Liga de Melhoramentos da Freguesia de Cabril - 50.º Aniversário  e de Armando Reis com a obra Subsídios para a História do Regionalismo Serrano, Cabril (Pampilhosa da Serra) e a sua Liga de Melhoramentos - e ainda, comunicados, notícias e outros assuntos importantes para divulgar através deste sítio através da Liga de Melhoramentos da Freguesia de Cabril.
A manutenção desta página está a cargo de Carlos Alberto Teodoro da Purificação Cruz.
Última actualização: 15-Abr-2018